FICAR OU SAIR DA CAVERNA?

Várias vezes e em diferentes momentos vem-me ao pensamento a Alegoria da Caverna escrita por Platão. Esta passagem metafórica da obra República inspira-me quando penso no que podemos chamar de despertar ou ampliar o nosso mapa do mundo.

Mas ao relê-la (link aqui), percebi que há uma outra perspectiva também muito interessante em que podemos reflectir.


O mito conta a história de prisioneiros que desde o seu nascimento cresceram acorrentados dentro de uma caverna a olhar para as paredes. Vivem iluminados pela luz de uma fogueira e tudo o que vêem são sombras projectadas. Sombras de actividades do dia a dia, do mundo que acontece lá fora, que representam pessoas, animais, objectos... e os que habitam o interior da caverna têm nomes para o que vêem, fazem julgamentos e emitem opiniões.

Até ao dia em que um dos prisioneiros tem a possibilidade de se libertar das correntes e sair da caverna, tem a oportunidade de explorar o mundo lá fora, entrar em contacto com uma outra realidade e, tomar consciência que tudo o que até então acreditava ser real, eram apenas sombras de uma outra realidade bem mais rica no que podia ser captado pelos seus sentidos.


Até aqui, esta é a história da mente que se expandiu, é a inspiração da mente que se abriu para uma nova realidade, do mundo que se alargou e da percepção mais ampla. E aqui vem a continuação do mito.


Este prisioneiro “libertado” volta à caverna para contar aos seus antigos companheiros tudo o que experienciou lá fora. Se a entrada na caverna for brusca é provável que ele cegue pela diferença de luz.

Interessante a simbologia de ficar cego! Este retorno ao antigo por momentos retira-lhe algo que com a saída da caverna tinha ficado mais aguçado. Mas uma possível falta de certeza de como lidar com tudo o que viu e, sobretudo, a vontade de passar aos outros tudo o que aprendeu faz com que este prisioneiro permaneça na caverna. Lá dentro o que se escuta é a incredulidade, ninguém acredita no que conta, esta nova informação desafia as convicções mais profundas de quem habita o interior da caverna. E o prisioneiro “libertado” vai ser chamado de louco e vai ser ameaçado de morte.


Aqui está um outro interessante momento de reflexão, quando perante a ameaça de morte, temos ou não a coragem de deixar morrer a nossa antiga visão do mundo? Será que é possível deixarmos de ver aquilo que já vimos? Será que a mente que se expandiu pode voltar à forma anterior?

Vamos ficar na caverna junto daqueles com que nos habituamos a viver? Ou vamos sair dela e abraçar o novo? Se escolhermos ficar, o que morre? Se escolhermos sair, o que terá então de morrer?

São só questões! Não encontrei respostas... É apenas uma reflexão!


~ por Joana Sobreiro


#generativechange

37 visualizações
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Spotify - Black Circle

(+351) 91 723 79 68​ | joana.r.sobreiro@gmail.com

 

 

Largo da Palmeira nº 140 1º andar, Abóboda

2785-038 São Domingos de Rana - Cascais

#NEWSLETTER

#CONTAcTOs

© 2018 por Joana Sobreiro

Política Privacidade